Matthew, O Poder e a Lei

Na verdade, ele queria ser advogado para livrar da cadeia aqueles que são injustamente condenados. Mas Matthew McConaughey  (41) logo se deu conta de que essa seria uma tarefa impossível, porque não tem o menor interesse pela secura dos temas ligados à justiça, desenvolvidos em prolixas teorias que um advogado precisa conhecer. Então repensou seus projetos e decidiu investir em seu futuro como ator em Hollywood.

Com Kate Hudson

No início de sua carreira, ele era chamado principalmente para papeis românticos leves, no estilo de Como Perder um Homem em Dez dias, em que sua parceira amorosa foi a atriz Kate Hudson. Mas um papel se repete: volta e meia pode Matthew é advogado, como em O Poder e a Lei, que estreou em maio. Em setembro, ele falou sobre seu trabalho ao jornal alemão Welt.

P – Já se incomodou com a Justiça?

Mattew McConaughey – Sim, em 1999, exatamente às 2 horas e 37 minutos da madrugada, isso nunca vou esquecer. Repentinamente havia dois policiais na minha casa. Eu tinha comemorado e bebido muito porque no dia anterior o meu time favorito de futebol tinha vencido o rival. Estava bastante embriagado, mas sozinho na casa. Quase nu, ouvia música em tom muito elevado e, ao mesmo tempo, tocava bongô.  Então, de um minuto a outro, dois policiais entraram no meu quarto de dormir.

P – Do que foi acusado?

Matthew McConaughey – De perturbar o repouso dos vizinhos. Fiquei tão assustado quando vi os homens na minha frente que avancei na direção deles, pensando que eram assaltantes. Eles me mostraram seus distintivos, mas continuei me defendendo como um leão. Então me levaram e tive que passar uma noite na cadeia. Na manhã seguinte foi solto.

P- Agora está no filme O Poder e a Lei, em cartaz nos cinemas. Dizem que teve permissão para escolher o diretor, Brad Furman.

Matthew McConaughey – É verdade. Um pouco sem vergonha. Ou não? Afinal, nem mesmo sou o produtor. Mas trabalho nisso há tempo suficiente, por isso, quando se trata desse tipo de personagem, posso escolher o diretor. Também acho que é justo.  De qualquer maneira me entrego à orientação dele durante três meses, depois ele desaparece com o material no quarto escuro e perco o controle sobre o que vai resultar de todo o trabalho.

P – Sua fama veio com filmes românticos. O Poder e a Lei é uma tentativa consciente de mudar sua imagem?

Matthew McConaughey  – Totalmente inconsciente certamente não é.  Não vou dizer que nunca mais pretendo fazer este tipo de papel, mesmo sabendo que tenho talento para comédias românticas. Tenho muito a agradecer a estes filmes.  Mas na minha vida privada prefiro outro gênero e tenho como ator, no momento, uma necessidade de ser mais exigido, de não repetir mais as mesmas histórias.

P- Para onde se desenvolve sua carreira?

Matthew McConaughey – Estou especialmente envolvido com um filme – The Dallas Buyer’s Club – em que faço o papel do protagonista sob direção de Jean-Marc Vallée.  A história é simplesmente inacreditável. Trata de Ron Woodroof, um eletricista de Dallas que é traficante de drogas e se infecta com o vírus da Aids. Quando os médicos lhe dizem que só tem mais seis meses devida, ele começa a contrabandear medicamentos para si e outros aidéticos para dentro dos Estados Unidos.

P –É um filme sobre o tempo em que a Aids era vista como problema restrito aos homossexuais?

Matthew McConaughey  – Exatamente isso.  Este é o lado interessante do filme: Ron Woodroof não era homossexual, mas se infecta com uma injeção e isso o leva rapidamente a uma clientela em que muitos são aidéticos gays e a cenas extraordinárias. Algumas são comoventes, muitas outras são alegres.

 P – Portanto, o senhor tomou a decisão certa quando decidiu que não seria advogado?

Matthew McConaughey   – Minha vontade era livrar inocentes da cadeia ou de coisas piores. Sabe, tenho um senso de justiça muito desenvolvido e, na época, pensava que poderia me dedicar a essas vítimas da injustiça de forma inteligente e generosa.  Acabei desistindo quando me defrontei com toda aquela teoria que um advogado precisa dominar. Virar ator me pareceu mais leve, já que, quando atuo, posso instintivamente expressar emoções que localizo dentro de mim.  

Matthew McConaughey é casado com a brasileira Camila Alves e tem dois filhos com ela. Camila nasceu em Minas Gerais e vive nos Estados Unidos desde os 16 anos de idade. Hoje modelo, atriz e apresentadora de um reality show na tevê norte-americana, antes de ficar famosa ela trabalhou como garçonete e faxineira.

Anúncios