Nesta sexta-feira, dia 18 de maio, o projeto da ACIRS Venerdì Culturale apresenta a palestra Literatura, filosofia e pintura em Giordano Bruno – uma leitura de Nuccio Ordine. O palestrante é Luiz Carlos Bombassaro, professor de História na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Uma parte da aula ele vai dedicar à vida e ao pensamento de Giordano Bruno, destacando temas como a filosofia em suas obras – agora traduzidas para o português. Na outra, ele falará sobre como a obra dele, ainda considerada moderna, foi – e ainda é – vista e acolhida.

Filho de militar, Giordano Bruno era frade dominicano, escritor, filósofo e um ser humano extremamente corajoso.  Isso ficou evidente quando enfrentou a inimizade de calvinistas, luteranos e anglicanos, mas principalmente a da Igreja Católica Apostólica Romana, por ter afirmado que o universo é povoado por estrelas, como o Sol, e por planetas em que, como na Terra, poderia existir vida inteligente.

Denunciado por um discípulo, foi preso pelo Santo Ofício do Vaticano e submetido ao interrogatório dos inquisidores de Veneza. Não recuou. Pelo contrário, reafirmou diante deles as suas ideias. Obrigado a se ajoelhar para ouvir a sentença, ele, segundo conta a História, desafiou seus algozes dizendo: Maiori forsan cum timore sententiam in me fertis quam ego accipiam (“Talvez sintam maior temor ao pronunciar esta sentença do que eu ao ouvi-la”). Acusado de cometer heresia, foi condenado à morte e queimado vivo no Campo das Flores. Era o dia 17 de fevereiro de 1600. E este é apenas um dos muitos pecados que a Igreja Católica cometeu ao longo de sua trajetória. Em nome de Deus ou da própria sobrevivência?

Hoje se sabe que Giordano Bruno foi um pioneiro na forma como entendeu o universo. Estudiosos afirmam que sua ideia de relatividade antecipou em séculos a relatividade de Einstein: num universo infinito, qualquer perspectiva de qualquer objeto é sempre relativa à posição do observador; há infinitos referenciais possíveis e não existe nenhum privilegiado em relação aos demais. Em plena vigência da Idade Média, ele falou sobre a existência de planetas extrassolares.Também se admite a possibilidade de ter introduzido algumas ideias do que veio a ser a Teoria da Evolução de Darwin.

Sua vida e a obra viraram filme em 1973, com Gian Maria Volonte no papel principal, e peça de teatro montada em São Paulo– Processo de Giordano Bruno -, com texto do dramaturgo italiano/genovês Mário Moretti e o ator Celso Frateschi como protagonista (foto é de João Caldas).  A palestra desta sexta-feira será realizada na ACIRS Unidade Bom Fim – Osvaldo Aranha 744 -, a partir das 19h. A entrada é franca, aberta ao público e não há necessidade de retirar senhas. Além disso, a ACIRS tem convênio com estacionamentos (ver site). Informações: http://www.acirs.org.br, ou (51) 3212. 5440.

Anúncios